terça-feira, 10 de agosto de 2010

O bandido que só roubava corações!

01/07/2005
Era uma vez um ônibus com destino à Goiânia.
Dentro dele, havia uma menina chamada Ana, que estava afim de um menino chamado Théo.
Mas Théo estava esnobando Ana. Ela resolveu então abstrair e dormir.
Enquanto tentava dormir, Ana ouviu um grupo de garotos conversando. Uma frase em especial chamou sua atenção:
- E ai? Meu nome é Théo!
Théo?? Como assim? Não é possível dois "Théo" dentro do mesmo ônibus! Afinal, "Theo" não é um nome assim tão comum, né! Se ainda fosse "Thiago" ou "Felipe".... Mas Théo?? Não acredito!
-Ei! Desculpa, mas... Como é mesmo o seu nome?
-Théo - disse ele meio desconfiado.
Nossa! Como ele era bonito! - Ana pensou - Ele deveria roubar todos os corações que quisesse! Tão charmoso e galanteador!
-Jura? Não acredito! - disse Ana, rindo.
-Por que?
E se sentou ao seu lado e ela contou toda a história. E contou outras histórias. E ele também lhe contou histórias. E falaram sobre amores que se foram e amores que esperavam chegar. E se identificaram nas dores e nas esperanças um do outro. Decobriram que sofriam da mesma dor de amor. E se consolaram.
Não, não é nada disso que você está pensando!
Ana e Théo se identificaram como irmãos que foram separados quando bebês! Ou como se já se conhecessem há anos! Se ela acreditasse em outras vidas, talvez afirmasse que tivessem mesmo sido irmãos...

Já era madrugada de uma noite fria e acabaram adormecendo nos braços um do outro.
Então, repentinamente...
-Aninha! Acorda! Olha lá fora!
O sol estava nascendo e havia neblina junto ao chão. A lua parecia querer beijar o sol de tão próximos que estavam! Entre os dois, o crepúsculo perfeito. Acima da lua, um azul tão escuro, que talvez não fosse azul. Talvez fosse preto. Preto com pedras de diamantes costuradas com fios de ouro branco!
Desculpe se te decepciono, mas, não, eles não se beijaram!
Eu sei que a atmosfera pedia um beijo!
Era tudo tão romântico! Aquela tela pintada por Deus, o frio, os dois ali, abraçados... Se estivessem atraídos um pelo outro... Mas não era o caso. Eram irmãos, confidentes! E não amantes!

Os anos passaram depressa... Junto à amizade, se uniram a cumplicidade, a compreenção, a fidelidade, o amor.

Ela queria se casar com um "headbanger"! Mas se apaixonou por um forrozeiro de cabeça raspada... Théo foi o padrinho.
Ele também se casou. Uma linda menina, viciada em natureza, trilhas, canoas e praia! Ana foi a madrinha.

Seus filhos brincam juntos todos os fins de samana na pracinha próximo à casa deles.
Algumas pessoas não acreditam em finais felizes sem romance, no sentido carnal.
Desculpe decepcioná-los. A amizade deles durou por toda a vida. E isso nem sempre acontece num relacionamento amoroso. Afinal de contas, o que vale mesmo não é o amor? Amor é o maior dos bens!

5 comentários:

  1. Me lembro como se fosse hoje vc me contando essa história. No momento, tb jurava que ia terminar com um final em que vcs acabavam se atracando aos beijos rsrs mas eis que a amizade foi beeem mais forte e deu a vcs um final até mais bonito...pq amizade verdadeira é a única certeza de que é eterna numa relação entre duas pessoas que acabam de se conhecer.

    ResponderExcluir
  2. Como disse Mário Quintana, "A amizade é um amor que nunca morre"! Roubar corações é fácil... é fugaz. A conquista faz parte da evolução humana. Difícil é conquistar pelo amor... manter viva a amizade livre de ciúmes e dos caminhos adversos que a vida nos apresenta. O que fazer então quando você gosta tanto de alguém, que nunca mais quer ficar longe? Percebi que não casei com nenhuma de minhas namoradas. Percebi que 95% dos casamentos tem um fim precoce. Percebi que para ficar sempre perto de alguém, a paixão tem que ficar de lado. Se você se deixar envolver, o fim se aproximará. Somente o amor deve prevalecer e você foi a escolhida para ser eternamente a minha melhor amiga. Amo muito você, Anita.

    ResponderExcluir
  3. Era mesmo necessário me fazer chorar??? hEin, Sr. Theobaldus???? Rrsrs... Tb amo muito vc, Theozito!

    ResponderExcluir
  4. Bacana. Bela história. Quanto á questão da observação da decepção, vai de cada um. Achei o final bacana, diferente, enfim, como tinha que ser pra eles. Show.
    Citou que se eles crêssem em vidas passadas, poderiam ter sido irmãos e tal, tem gente que não crê em amizade entre o sexo oposto e que sempre terá beijo, relação sexual, mas nem teve e se manteve a amizade, muito maneiro. Escreveu o texto na moral, não que eu seja crítico ou corretor ortográfico e gramatical, kkkkkkkkk, mas o esquema que colocou as palavras, me prendeu. Aí, só não entendi as fotos, não tem legenda, quem são, fora tú, kkkkkkk, ainda reconheço, mesmo das antigas, kkkkkkkk. Bjão.

    ResponderExcluir

Loading...